Historia



Chegada no Iate Clube Tamoios - Ubatuba -SP
Eu, Luiz Eduardo Vieira Paiva nasci em São Paulo, no bairro da Moóca em abril de 1965.
Filho do Sr. Manoel e da Dna. Lynda, morei S. B. Campo a maior parte de minha vida.
Os Vieiras, são uma família grande e admirável porque carregam a doçura da Dna. Alice e a imponência do Seu Júlio, alias pensar neles desperta muita saudades.
Os Paivas não são muitos mas são persistentes, a Dna. Eva só conheci por fotos e testemunhos, tratando de uma mulher prudente e dedicada, com os pés bem firmados no chão. O Seu Fortunato, dele eu me lembro um pouquinho, e ficou a imagem de um homem bom e sofrido.
Minha paixão por barcos não sei donde veio, mas a primeira lancha veio de Sorocaba e estava em frente a uma empresa quando à vi, e na primeira proposta, comprei-a.
Confesso que se fosse hoje sairia correndo! Era um terror!
Porem naquela época, 1987 por ai, "tudo era flores". Motor de Popa Johnson 40Hp 1969!!!! (credo!), Casco modelo "Transa 16 pés, Asa de Gaivota", Cor amarelo gema de ovo, (que horror!).
Mesmo assim me trouxe momentos de pura alegria.
Foi como um vírus, desses que deixam na gente um marcador pro resto da vida, e lancha após lancha, e lancha após lancha, foram cerca de 15 ao longo dos últimos 20 anos, e muitos momentos de pura alegria, contentamento e lazer.
Não me lembro dos problemas!, certamente eles existiram, sei que alguma coisa quebrou,... devo ter ficado na mão, por certo que sim!, mas eu realmente não me lembro de nada.
Porem não me esqueço da manhã em que saímos, Eu e o Jaci, meu sogro, logo de manhãzinha da Key Marine, uma marina em São Sebastião, e ao acelerar na proa do lado norte de Ilha Bela, rumo a praia do Jabaquara, nos deparamos com dezenas de golfinhos que nadando saltavam e faziam a festa. 
Não dá para esquecer o dia em que um cachalote, filhote de uns 7metros, submergiu na proa da lancha  e tive de cortar o motor para não bater nele.
A primeira visita a Ilha Queimadinha, os inúmeros passeios e pescarias em diversos pontos do nosso litoral, foram muitas aventuras, "que o diga o Jaci"!
Lancha Evolution 180
E quando eu rebocava a lancha e dizia pro Luigi, (pequenininho ainda) "olha, fica de olho pra ver se o barco esta ai atrás hein, se tá seguindo a gente!" ... Era uma satisfação indescritível quando eles me acompanhavam, o Luigi e a Elaine.
Mas os vírus são mutantes e o meu mutou de lancha para Vela, como num passo de magica aqui estou eu, inacreditavelmente construindo um veleiro.
Os meus anticorpos racionais não conseguiram domina-lo e tornou-se parte do meu ser e por ser parte de mim, tem me despertado cedo muitos dias para fazer um trabalho para o qual nunca tive nenhuma habilidade, o fato é que "O veleiro esta surgindo" silencioso, manso porem imponente e vultuoso.
Como vai ser o final dessa historia,,,,, 
Acompanhe aqui, faça parte dela.
Me ajude, incentive e anime,... porque certamente vou precisar!
Conto com vocês!